sexta-feira

Mulher de verde

Uma menina vestida de branco se destacou da sombra das amendoeiras e caminhou até a beira do lago escuro. Não sabia que era o centro da paisagem. Se soubesse, teria achado engraçado e brincaria com isso, ou se intimidaria a ponto de fugir para perto da mãe. Mexia na água turva e esverdeada com uma fina varinha que o limo ia impregnando de seu verde pegajoso. Olhou durante alguns momentos os gansos esvoaçando na outra margem e contou-os com a varinha erguida em sua direção como quem regesse uma orquestra invisível. Depois correu rampa abaixo e foi chamar outra menina que deixara sentada no banco de pedra minutos antes. Falaram bem baixo, e depois correram para o lago. As vozes eram agora o som da manhã.
Verdes sombrios e luminosos, cores esmaecidas no espelho dágua. A outra menina seguiu a primeira, e agora atiravam pequenos pedaços de pão para os peixes. Os gansos haviam desaparecido e o sol leve aquecia pouco. Era bem cedo, muitos ruídos estavam por vir, o calor iria apertar.
Um grupo de crianças apareceu de uma das aleias laterais, acompanhado por duas mulheres. Uma delas trazia um trabalho manual, a outra empurrava um carrinho de bebê. Sentaram-se lado a lado e começaram uma conversa embalada pelo vaivém do carrinho. O vozerio aumentou pelo ar ainda meio adormecido. Uma carrocinha de pipoca e outra de sorvete se aproximaram, e uma grande bola de gomos coloridos pareceu florescer em pleno ar, saltando de mão em mão. Duas bicicletas contornaram a praça, e alguns corredores apareceram, vestidos de malhas e bermudas.
Em meio à cena sinônima de todos os dias, uma freada violenta despertou as atenções e por alguns segundos centralizou o movimento do pequeno parque em uma só direção. Alguém havia sido atropelado, logo depois da curva fechada de que as amendoeiras tapavam parcialmente a visão.
Com algum esforço, a mulher de verde que contemplava o parque, do quiosque de bambu e sapê sobre a rampa do lago, conseguiu enxergar o homem sobre o asfalto. De onde estava, estremeceu diante da quebra que aquele choque significava. A vida se desmantelava, e o que parecera certo e seguro alguns momentos antes era agora um punhado de sensações incertas, fugidias. As vozes mudaram de tom, e um grupo novo se formou no mesmo minuto, contemplando o corpo em posição fetal junto ao meio-fio. Recostado num carro, um homem de cabelos brancos parecia paralisado, enquanto outro, mais novo e mais forte, gesticulava intensamente no meio do círculo de curiosos, e o som de sua voz chegava até os ouvidos da mulher de verde. Alguém que ela não podia ver gritava por Isabel, e uma criança começou a chorar longe dali.
Virava o jogo dos espelhos, o caleidoscópio girava. A mulher resolveu seguir seu destino, entregando aos estranhos o corpo que não lhe pertencia.
O sol resvalava pelo toldo amarelo de uma loja e se derramava na calçada clara e larga. "Glória, glória, aleluia", ouviu a mulher, num coro de poucas vozes. Procurou o grupo com os olhos, estavam do outro lado da rua, na praça ensolarada, desafinando com todas as forças de seus oito pulmões. Teve a impressão de que uma bolha de sabão estourava dentro de sua cabeça, abrindo espaço para uma solidão límpida e soberana.
Seguiu assim entregue a seus pensamentos durante algum tempo, até que as sirenes da ambulância e da polícia lhe trouxeram a súbita lembrança do corpo no asfalto, ainda tão perto, e lhe provocaram uma sensação avassaladora como uma culpa. Procurou no fundo da bolsa um lenço de papel. Durante alguns segundos, a angústia tomou conta de seus gestos e confundiu seus pensamentos. Segurava a bolsa aberta quase inconsciente, e um sentimento de urgência incontrolável foi crescendo dentro dela e pôs sua memória em funcionamento frenético. De repente se pôs a correr, porque havia pouco tempo, não sabia exatamente quanto, mas bem pouco, para encontrar as pessoas e provar a si mesma que a vida tinha valido a pena.

Trecho de O escritor, o pintor e os dentes brancos do Morais.

Imagem de Dante Barbosa Guimarães. Jeanne. 

8 comentários:

Marcantonio disse...

Nossa! Excelente. Uma hábil orquestração de diferentes elementos, de olhares lançados, de retalhos de paisagem, de sons que eclodem, de burburinhos. Tive a sensação de estar nesse parque!

Beijo, Dade.

Camilla disse...

Um texto envolvente, Dade, que dá prazer de ler.

Beijos.

MIRZE disse...

Impressionante!

Prendeu=me até a última palavra e ainda queria mais.

Excelente!

Beijos

Mirze

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Dade
que viagem
o parque
os movimentos
as cores
os sentimentos...
e a vida!
A necessidade de termos testemunhas... de que valeu a pena.
Lindo.

dade amorim disse...

Obrigada, Marco. Adoro quando você gosta de um texto, fico até um pouco prosa Ü
Beijo.

dade amorim disse...

Camilla, obrigada mesmo. Gosto de ver você por aqui.
Beijo beijo.

dade amorim disse...

Mirze amiga, você é generosa, sempre. Obrigada
Beijo grande.

dade amorim disse...

É isso, Walkyria. Você é uma leitora que não quero perder.

Um grande beijo.