quarta-feira

Escrever é um questionamento









  “Poderíamos basicamente dizer que a ficção
é um meio para os seres humanos
estenderem-se além de seus limites.”

Wolfgang Iser


 Jonathan Safran Foer, um jovem vencedor, autor de Extremamente alto & incrivelmente perto, declara que, mais ou menos como acontecia com o inglês W. H. Auden, escreve para descobrir o que pensa. Enfim, mais um escritor que se anima a dizer que escreve, não por uma estranha compulsão, uma vocação irreprimível, mas por uma espécie de curiosidade intelectual.
Menos um candidato congênito a virar estátua. Nada contra quem vira. Nada contra fardões, academias e laureis, quando expressam o reconhecimento da sociedade ao trabalho de um escritor. Mas tudo contra quem já começa a carreira com pose de predestinado à glória. Desmistificar a escrita (assim como qualquer trabalho de criação) é uma virtude e uma necessidade.

6 comentários:

Anônimo disse...

Escreveu pouco e disse muito!
Manoel Carlos

Marcantonio disse...

Mas, Dade, creio que as estátuas não se auto-esculpem; quem se encarrega disso é a cultura, o entorno, o sistema, os grupos, sem os quais o autor gozaria do mais absoluto ostracismo, qualquer que fosse a sua disposição inicial. Quantas nulidades há por aí impulsionadas por "padrinhos" e grupelhos dentro das próprias academias ou chancelados por influências misteriosas. Por outro lado, quantos não foram os rebeldes que posteriormente foram encerrados como feras domesticadas nas jaulas do jardim zoológico da cultura? Só existe o autor-ele-mesmo na gaveta. Depois, publicado, ele se torna uma apropriação, mesmo por correntes divergentes. O próprio processo de desmistificação acaba sendo mistificado. Aqueles que se supõem desde já destinados à glória, podem, passando do vestíbulo das louvações, confrontar a maior das decepções mais adiante. Assim como o contrário também pode ocorrer.

Beijo.

MIRZE disse...

Aplaudo de pé, Dade!

É isso mesmo. Quem escreve seriamente escreve para se conhecer também.


(Agora, o Ronaldinho ganhar o Fardão da ABL) é uma afronta para os grandes escritores.

Beijos

Mirze

dade amorim disse...

Dito por você, Manoel, quer dizer muito mesmo.
Um beijo.

dade amorim disse...

Tem toda razão, Marco. As coisas não acontecem como se gostaria, não há uma verdade no processo, tudo é variável.

Beijo.

dade amorim disse...

Pois é, Mirze, deve ser assim - embora nem sempre seja...
Beijo beijo.