segunda-feira

Imaginárias


Foto Aikan Zener


abro a janela de olhar as coisas
acontecidas

lembranças bem-vestidas
passam pisando firme
e vão embora
outras
descalças
entram e ficam

têm olhos grandes e brilham

espero ver crescerem suas asas
até que se desdobrem
nas coisas desejadas que não foram

o vento então sopra forte
minhas cortinas se enfunam como velas
e as lembranças embarcam
apagadas
de volta para o nada de onde vieram

13 comentários:

Cris disse...

Oi, querida,

Espero ver minhas asas aumentarem rumo ao abraço das coisas desejadas que estão sendo.

Beijo, linda.

Jens disse...

Oi Adelaide.
Pô, que baita poema: delicado, nostálgico, docemente melancólico. Belas imagens. Evoquei as minhas próprias lembranças bem-vestidas (e outras descalças). Enfim, parabéns. Quanto li, pensei:
bláumida, adjuricaba, carmenótipa, simônjara trepódica! Um dia, quando crescer, quero escrever assim!

adelaide amorim disse...

Cris, desejo as lembranças mais bonitas pra você ;)
Beijão.


Jens, você é um quilido, como diz a Fal.

Héber Sales disse...

Um dos melhores que já li por aqui ou no Inscrições. Um beijo

adelaide amorim disse...

Héber, vindo de você, é um elogio e tanto :)
Beijo beijo

Marco disse...

Querida amiga Adelaide,
antes de mais nada, missão cumprida! Já está no Antigas ternuras o post-corrente sobre a frase da página 161 que você me passou. Quando quiser dar uma olhada...
Sobre este seu belo poema, o que um cara que tem um blog temático falando de doces momentos do passado pode dizer de "abro as janelas de coisas acontecidas"?
Muito bom! Gostei muito. Parabéns. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

adelaide amorim disse...

Que bom que se encontrou, Marco!
Beijo

Anônimo disse...

Querida, até que enfim te encontro.
Ficou bem legal a casa nova. O poema é lindo, cheio de música e simbolismo. Beijo enorme e saudoso.
AnaG

Dora disse...

Adelaide. Um poema que segue calmo os movimentos das cortinas, no vaivém das lembranças. E as que estão descalças ficaram lá mesmo, no passado, sem se completarem e sem se vestirem...
Uma beleza de escrita surgiu desses movimentos!
Gostei muito desse poema.
Beijo de ternura.
Dora

Nanda do IP disse...

Dade; eu ando tão cansada que meus pensamentos tiraram férias...rs - Sobre a reforma, depois te mando um email; se você morasse perto, ia adorar te contar tudo; além de perguntar sobre quadros e decoração! Mas os vizinhos daqui são como dementadores, de Harry Potter, uma coisa séria...rs

adelaide amorim disse...

Ana, fiquei feliz de te ver aqui. Agora já sabe o caminho ;) Beijo bem-vestido!


Dora, teu comentário, competente e sempre generoso, é muito bem-vindo. Beijo agradecido.


Nanda, decoração é coisa que adoro. Mudo tudo de lugar periodicamente, me dá coceira ver tudo igual =o! Beijo viajante.

Aninha Pontes disse...

Lindo isso Adelaide, lembranças que passam, e lembranças tristes, amargas que insistem em ficar.
Parabéns, lindo poema.
No programa de hoje mandei um beijo prá você, deixo outro aqui.

adelaide amorim disse...

Aninha, fico feliz que tenha gostado. Te deixo um grande beijo.