domingo

À deriva



Ele falava às vezes como quem desembarca de estrelas trituradas - farpas que ela reencontrava nas curvas do caminho do dia; falas rascantes capazes de quebrar o sono em pedaços.

Esse pedaço de texto esquecido serve de epígrafe a um comentário sobre o filme de Dhalia. Mas o filme é muito, muito mais.

10 comentários:

Luma disse...

Achei a produção fraca. Um drama autoral tratado de forma convencional. O que salvou o filme foi a fotografia e embalagem, de resto, me senti à deriva!
Ah, eu quero aquela poltrona ovo!! (rs*) Bom domingo!! Beijus

dade amorim disse...

Achei não, Luma. As atuações são da pesada, a direção é perfeita e a gente é tragada pelo drama do desamor que engole os personagens, todos de carne e osso, sem glamour, e lindos justamente por isso.
Beijins.

Nanda disse...

Dade, passando pra desejar um belo feriado! O filme, ainda não vi! Acho que só quando chegar a um telecine da vida! Beijos!

dade amorim disse...

Nana, tua terra tem palmeiras onde canta o sabiá e tem cinemas também, que eu sei! :)
Beijobeijo

Adriana Karnal disse...

Esto curiosíssima pra ver...

Vanessa disse...

To loka pra ver...

bjs

dade amorim disse...

Faz bem, Adriana. Depois me conta o que achou.
Beijo!

dade amorim disse...

Vanessa, você não se arrependerá, pode acreditar. Beijo pra você.

Marco disse...

Putz... Ainda não vi este filme. Eu ando meio relapso com minha cinefilia... Estou realmente muito ocupado. Mas essa fase vai passar.
Carpe Diem.

dade amorim disse...

Vou ver o que te ocupa tanto, Marco. Aposto que vem outro livro por aí.
Beijo!