quarta-feira

Com licença do Lau Siqueira, poesia sim


Antologia bloética: Poemas e Poetas, um novo espaço para a poesia. Uma boa ideia em forma de blog, que vale a pena conhecer.

Não consigo entender essa coisa de que poesia não vende.
Nâo? Mas todo mundo lê e gosta.
E já que agora a tendência é ler cada vez textos mais curtos, por que não poemas?
Não acho legal essa tendência, estou só constatando uma realidade que a internet confirma a cada dia.
A internet, essa faca de tantos gumes.
Favorece a preguiça de ler, mas traz até os leitores textos e autores que não seriam lidos fora da família ou dos amigos mais próximos. A rede torna mais difícil ler durante muito tempo seguido, tem apelos demais, interesses de mercado que literalmente pulam diante dos olhos e dispersam a atenção, além da luminosidade que irrita muitos olhos e da diversidade de atrações.
Mas há os leitores de fé, esses que não dispensam um livro nas mãos e um espaço de paz para aproveitar na leitura que lhes dá prazer, e continuam bem conscientes da falta que faz um bom livro.

______________________________







Um rapazinho!
Uma nova primavera –
e passaram sessenta anos.

Koi Nagata (1900-1997)

Quem diria! Sessenta e cinco, para ser mais exata. Mas continua a ser ele.

18 comentários:

Marco disse...

Concordo contigo, amiga Adelaide.
Poemas são necessários e nos fazem bem. Ler um Quintana, um Pessoa por dia, traz saúde, paz e alegria.
Carpe diem. Aproveite o dia e a vida.

dade amorim disse...

Sabia, Marco, você é dos nossos.
Beijo.

Eliana Mora (El) disse...

Viva a Poesia!

Não é por nada não, mas tem que 'pertencer', poesia tem que 'caber', 'morar' em nós.

É isso.

beijo da El

Jens disse...

Oi Adelaide.
Estou de passagem, indo para a HI (estou viciado por tua culpa).

Beijo florianapolitano.

dade amorim disse...

Exatamente, Eliana - poesia sim! Um jeito autêntico de ver e sentir a vida.
Beijo.

dade amorim disse...

Maravilha, Jens. Continue assim. Esse vício não prejudica a saúde e torna você um cara mais querido.
Beijo.

antonior disse...

A poesia será sempre uma forma sublime de expressar a maneira como a inteligência humana faz rimar alma e coração. Enquanto na nossa condição perdurar uma sensibilidade enraízada no Mistério, teremos capacidade de ser poéticos.

Um abraço

P.S. - Respondi ao seu comentário no post "Mila, a felina que esconde uma alma serena", na própria página em que foi feito.

dade amorim disse...

Obrigada, Antonior. Estive lá na Fênix, linda como sempre.
Beijo e um ótimo fim de semana.

Jacinta Dantas disse...

Popis é, mulher,
Há quem diga que não sabe fazer poesia, e mesmo quem isso diz, faz poesia do seu cotidiano. E ler, alimenta a alma, faz a gente caminhar por caminhos diferentes. E penso que, aqui na rede, nessa interatividade que vai envolvendo pessoas de tantos lugares e tantos saberes, a proposta pode ser um estímulo para as leituras maiores, feitas no aconchego, com um bom livro nas mãos.
Um abraço

dade amorim disse...

Esse "ler no aconchego" é uma das delícias da vida, Jacinta.
Beijo

Anônimo disse...

A poesia é uma das mais sublimes expressões humanas.

A família de Vinícius de Moraes disponibilizou gratuitamente toda obra poética dele na internet e seus livros vendem cada vez mais.

Paulo Coelho, contrariando seus editores, disponibiliza gratuitamente seus livros na internet; ele provou que depois de fazer isto na Rússia, a venda de seus livros pulou de dez mil para meio milhão de exemplares.
Manoel Carlos

Melissa disse...

Adelaide, andei sumida, mas voltei ao blog...
E já te encontrei no Twitter! Agora não me perco mais das coisas lindas que vc nos traz!

Sim, poesia... Gosto desde novinha. E comprava livros sim. De autores que não conhecia, mas eu sonhava em cada página lida.

Romantizava, mandava para o namorado... Anotava na agenda. Coisa de menina!

Confesso hoje comprar poucos livros de poesia, tenho arriscado mais outras leituras e não gosto de leitura longa na frente do computador. Esta deve ser feita de outra maneira, numa boa posição, com tempo, com o livro na mão!

Até rimei!
Tentando poetizar, será?
:) Um beijo e bom fim de semana!

dade amorim disse...

Sim, Manoel, a internet não atrapalha a vida dos livros nem a vida da poesia, que até surpreende a gente, pela qualidade e pelo número de poetas sensíveis e competentes que se descobre a cada dia.
Adorei vê-lo aqui, venha tomar um café com a gente de vez em quando.

Beijo pra você.

dade amorim disse...

Olá, Mel, bons olhos a vejam. Você é sempre muito bem-vinda. Quanto à "coisa de menina", todo poeta um dia é menino. Mas depois cresce e amadurece. As "outras leituras" são muito necessárias para alimentar a fome de poesia, quando ela existe. Poesia e conhecimento andam sempre de mãos dadas.
Beijo beijo e até breve.

Nanda disse...

Pois, é, Dade; a internet ajuda e atrapalha ao mesmo tempo. Eu, por exemplo, passo um bom tempo assistindo vídeos, procurando novidades. E acabo lendo menos do que gostaria. Beijos.

dade amorim disse...

Nanda, o que atrapalha é que o tempo da gente encolheu ainda mais, embora em alguns casos a rede seja bem útil pra encontrar as coisas. Acho que o tempo é que devia se ajustar aos tempos que estamos vivendo, né não?
Beijo beijo!

Lais Castro disse...

Oi Dade, td bem?
Menina, esse seu Gatoso é demais!
O Gato Chico, também.
Abraço.

dade amorim disse...

Fãs de gatos não deixam escapar, Laís =>
Besitos