sexta-feira

Ouro Preto, ladeira acima, ladeira abaixo


Quem não conhece a cidade senão de ouvir falar, não faz idéia. É muita coisa ao mesmo tempo. Pisar o chão dos setecentos, andar entre as paredes profundas e os tetos incríveis de lá, entrar num restaurante vertiginoso que ao mesmo tempo consegue ter os cantinhos e as mesas mais acolhedoras que alguém consegue imaginar, é uma experiência que devia fazer parte do acervo de vida de todo mundo.
Tudo bem que tanta igreja cansa, mas não precisa ver todas de uma vez ou nem todas. Algumas são imperdíveis, como Efigênia, Pilar, São Francisco. Mas há o horizonte, o céu, as montanhas mais inacreditáveis, o cheiro de forno a lenha. E por cima de tudo, o clima, que mescla cultura refinada com juventude, agito com ecos tão antigos, cenários de romance com a dureza das pedras, brechós de objetos irresistíveis e artesanato com a mais descarada mercadagem pra turista ver. E haja grupos, conjuntos, tribos, eventos, festas, trampos, comidas e bebidas (e quase digo marijuana, mas me calo em respeito a Tiradentes e sua turma careta).
A cidade anda meio cai-não-cai, de modo que é bom se apressar. Além disso, tem favela crescendo. Uma pena. Um motivo de indignação, não pelos habitantes desvalidos, que não têm outra saída, mas por causa dos reponsáveis pelo bem-estar de seus eleitores, largados ao deus-dará, já que os governos não dão mesmo. E a pobreza se agrava. Não aquela pobreza de bem com a vida, que também existe por lá, mas a pobreza aguda, que torna as pessoas tristes e duras, e olha a vida com um olhar de ladeira abaixo.

10 comentários:

Amélia disse...

Conheço Ouro Preto - estive lá em 1996...Gostei muitíssimo -e também
da vizinha Mariana.

mfc disse...

Já me disseram tão bem... que quando for ao teu lindo país não faltarei ao encontro com Ouro Preto.

PS - Uma pequena rectificação... sou um amigO e não uma amigA.
Beijinhos

JasonJr. disse...

Meu sonho de visita deste final de ano!!! :D :D :D

Chorik disse...

Engraçado isso, mas nunca tive vontade de conhecer Ouro Preto. Não curto cidades históricas. Agora, de onde você tirou essa de que a turma de Tiradentes era careta? rs

MIRZE disse...

É uma cidade histórica realmente linda. Minha filha caçula é professora da UFOP. Mas ela se queixa do estado como andam as coisas, Fora a estrada que leva à Belo Horizonte, que é um perigo.

Mas vale a visita.

Beijos, Dade!

Mirze

dade amorim disse...

Amélia, algum dia nos encontramos, aqui no Brasil ou aí, na Leiria, quem sabe?
Beijos.

dade amorim disse...

AmigO mfc, se vier ao Brasil, não deixe de avisar nem de vir ao Rio de Janeiro.
Abraço grande.

dade amorim disse...

Vai gostar, Jason!
Abraço.

dade amorim disse...

Amigo Chorik, tenho a impressão de que naquele tempo, e ainda por cima em MG, todo mundo era careta – do ponto de vista das drogas, bem entendido.
Abração.

dade amorim disse...

É isso, Mirze. Talvez minha nora conheça sua filha, ela estudou e lecionou na UFOP.

Beijo beijo.