quarta-feira

Nem tudo que reluz é arte

 Vincent Van Gogh. Meio-dia.


Arte que não mobiliza as faculdades físicas e mentais deve ser questionada. Pode ser várias coisas, mas não deve ser arte.
Arte, seja visual, literária ou musical, deve ser como uma dose de vida. Dela sempre nasce uma curiosidade, um espanto, um desejo.
Arte deve ser como uma onda que entra pelos sentidos, acelera o sangue, aguça a sensibilidade e de algum modo ilumina a inteligência.

10 comentários:

sandra camurça disse...

falou e disse, querida, é isso aí!
beijos

Maria Teresa disse...

Perfeito, Dade. Arte tem que trazer aquele sopro de epifania que preenche por dentro.
Beijos

dade amorim disse...

Oi, Sandrinha! Valeu.
Beijão.

dade amorim disse...

Acerou na palavra que estava faltando, Maria Teresa: epifania.

Beijo beijo.

Lua Nova disse...

É a mais perfeita, bela e abrangente definição de arte que já li. Só podeia ser sua, não é minha cara mestra?
Oia eu aqui atrás de vc. Fiquei uns meses off e, ao te procurar no "o bem, o mal e a coluna do meio", descobri que vc o tirou de cena. Então, enveredei por aqui pra não te perder de vista.
Atrevo-me a convidá-la para tomar um chocolate quente comigo lá no meu blog. Me dará imenso prazer .
Beijokas.
Seguindo...

dade amorim disse...

Já estou partindo pra lá, Lua Nova.
Obrigada e um beijo.

Analuka disse...

Perfect, Dade! Arte instiga, encanta, perturba, ilumina!... Arte é o que toca e aguça, o que desperta e faz pulsar e pensar. Beijos pintados e uma ótima semana.

Luiza Maciel Nogueira disse...

concordo plenamente Dade!

beijos querida

dade amorim disse...

De pleno acordo, Ana. O mundo sem arte seria um triste purgatório.

Beijos.

dade amorim disse...

Sei que você é uma artista, Luiza querida.
Beijos.