sexta-feira

Dapieve pensa igual

Foto sem menção de autor.

Tenho grande admiração pelo Arthur Dapieve, colunista das sextas-feiras de O Globo.
Hoje, em especial, ele fala sobre as cotas, atualmente motivo de discussões mais ou menos acaloradas, porque sempre há alguém muito a favor e alguém muito contrário a elas.
Hoje, Dapieve diz em sua coluna tudo que eu penso, parece até transmissão de pensamento ou transmimento de pensasão.
Vejam esse trecho em especial:
"Passados 124 anos da Abolição, e desde então iguais perante a lei, brancos e negros nunca se tornaram iguais perante a realidade. É sintomático que uma sociedade que se acha isenta de racismo tenha 'se esquecido' de fornecer meios para que os ex-escravos disputassem oportunidades em pé de igualdade com os ex-senhores e imigrantes. Ainda hoje, pois, os negros em média ganham menos que os brancos por se concentrarem em atividades que os antepassados destes julgavam indignas. Sem renda para o melhor ensino privado, e com um ensino público sucateado, perpetuava-se essa situação à espera de que, nas calendas gregas, caísse do céu a justiça social."
Para mim, aí está o cerne do problema. Mas a coluna de Dapieve está toda um primor. Gostaria de ter escrito o que ele escreveu a respeito, porque penso tão igual que até mandei um e-mail pra ele. Se puderem, não deixem de ler. Acho muito necessário que se acabe com essa diferenciação absurda, que se continue discriminando as raças com cara de inocente, como se na verdade estivéssemos todos em pé de igualdade, porque não estamos e sabemos bem disso.

8 comentários:

Maria Teresa disse...

Valeu, Dade. Vou ler.
Beijos

Anônimo disse...

Eu descendo de escravos, conheci uma bisavó materna, filha de escravos.
A escravidão foi um negócio de brancos e negros, europeus e africanos.
Há um texto primoroso de Mia Couto sobre isto.
É claro que existe racismo!
Combato o racismo!
Adoto a mesma posição do Movimento Negro Socialista que é contra as cotas raciais, por considerar que as mesmas transformarão a discriminação racial em segregação racial.
Manoel Carlos

mfc disse...

É preciso pugnar pela igualdade real... de base!
O que não impede, entretanto, o estabelecimento de cotas!

Ira Buscacio disse...

Existe preconceito. Existe racismo. Existe hipocrisia. O negro padece ainda os grilhões. A mulher sofre ainda sua bruxaria (seu sexo). Os gays ainda tentam se proteger da ignorância. Os pobres sobrevivem ainda "da caridade de quem os detestam". Vivemos nessa máquina de moer gente.
Bj grande

dade amorim disse...

Espero que goste, Maria Teresa.

Beijo.

dade amorim disse...

Manoel, penso diferente. Não creio que as cotas criem segregação, acredito que sivam como ponte para que se torne a sociedade mais igualitária.

Beijo.

dade amorim disse...

De acordo, mfc.

Beijo.

dade amorim disse...

Ira, penso igualzinho a você. É preciso fazer alguma coisa para mudar essas estruturas emperradas.

Beijo beijo.