sexta-feira

As boas festas

Natal nos pega pelo pé, cria crostinhas de açúcar no coração e nos obriga a façanhas em que normalmente não nos jogaríamos de cabeça como nesses dias. Natal é um pouco covardia, mas é também alegria, que rima, e vontade de fazer coisas inusitadas. Alguns bebem demais, outros choram piscinas diante da família reunida; outros ainda comem demais, e talvez seja esse o resultado mais frequente. Mas quando chega o 24 de dezembro, a gente lembra de presentes que não comprou, corre ao shopping, que nos recebe de braços abertos para comprar mais e mais, e de punhos fechados para nos dar mil e um esbarrões no povo que vaievem sem olhar para onde anda, porque não dá pra ver onde anda. Na hora dos presentes, amigos ocultos ou exibidos, ocorrem alguns malentendidos que no entanto não conseguem empanar o brilho da estrela que pisca na árvore. No fim todo mundo se abraço, ri, espalha papel e sacolas pela casa, e como o dia que entra é feriado, não tem empregada pra arrumar e fica tudo assim mesmo, que ninguém é de ferro. Dorme-se até o meio-dia ou mais, e aí continua a comilança, o almoço cresce na mesa, a toalha mancha de vinho, cervejinhas, refrigerantes das crianças e molhos variados, mas tudo deve ficar na santa paz da sujeira abençoada. 
Os mais religiosos se revoltam levemente (cada vez mais levemente) com tamanho materialismo, mas ficam na deles (ou não, caso em que a família tenta ignorar qualquer voz dissonante, já que todos estão muito satisfeitos). Mas o tempo passa, as horas estão mais rápidas agora (dizem) e daí a uma semana será janeiro, entrando triunfante depois de mais uma noitada de comes e bebes, dança, passeios, farras homéricas ou moderadas. Praias cheias, ruas nem tanto, e a perspectiva de tudo recomeçar como era antes, porém enfeitado por sonhos novos.
Essas seriam as boas festas que costumamos desejar aos amigos e conhecidos.
Para alguns, nem tão poucos como se imagina, as festas acontecem numa solidão de tons menos ou mais sombrios, mas às vezes até bem-vinda.
Não faz mal. Que cada um tenha o Natal e ano novo que deseja, que lhe faz bem, e que o ano comece tranquilo. Melhor que isso, só no ano que vem.




16 comentários:

Marco disse...

Que texto lindo, Adelaide!
É a cara do Natal. Dos natais que a gente nunca consegue esquecer...
Eu te desejo um Feliz Natal e um 2011 com muito açúcar para fazer crostinhas no seu coração.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Nanda disse...

Dade, passando pra te deixar um beijo e votos de um lindo Natal! Seu cartãolendário atrasou, mas chega, viu? beijos.

Jens disse...

HIHIHI!!! (minha variação pessoal do hohoho).
Feliz Natal, Adelaide.
***
O teu texto me conduziu a natais de outrora, que se assemelhavam ao cenário agitado que você descreveu. Hoje não mais. Com a idade os tempos de tornam mais tranquilos. A preservação da saúde física e financeira me fazem descobrir, paulatinamente, as virtudes da temperança, indicando a proximidade da aposentadoria do sátiro que existe em mim. Em seu lugar, suspeito, vai surgir um velho rabugento (não espalha, afinal tenho uma imagem a zelar). Ó vida, ó dor. Fazer o quê? Como disse Fitzgerald, não se pode repetir o passado.
***
O post abaixo me fez lembrar Camus: "o suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia".
Pessoalmente, não sei se trata de um ato de suprema coragem ou de extrema covardia. Sou inclinado a concordar com Graham Greene: "suicídio é, freqüentemente, apenas um grito por ajuda que não foi ouvido a tempo.” Cabe lembrar que viver é sempre a melhor opção.
(Putz, que conversa para uma manhã de Natal. Era melhor quando acordava de ressaca).
***
Bela a nova estampa.
***
Beijo.

dade amorim disse...

Marco, o Umbigo sorri feliz e abre os braços para amigos como você. Aceita uma rabanada?

Beijo, ótima saída de ano e melhor entrada de 2011.

dade amorim disse...

Nanda querida, a vida anda mais corrida, o tempo mais rápido e te agradeço antecipadamente, de coração, a lembrança.

Deus te dê um ano novo dos mais felizes.

Beijo beijo.

dade amorim disse...

Jens, meus natais ainda são mais ou menos assim mesmo. Mas também acredito que acalmar um pouco e agitar menos pode ser muito bom, contanto que o coração esteja feliz.

Beijo e tudo de bom é o que te desejo.

Du disse...

Seja no Natal ou em qualquer outra data, devemos sempre sentir a presença de Deus em nossos corações. Neste ano que passou, apesar de tudo que sofri, sempre senti que Ele me carregava no colo quando eu achava que não podia mais seguir meu caminho. 2010 foi o ano mais difícil de toda minha vida, mas ao mesmo tempo, foi o ano em que tive provas de que verdadeiras amizades ainda existem e que Deus nunca nos desampara. Talvez por isto eu tenha conseguido meu emprego tão sonhado, depois de tantas batalhas, internas e externas...

"Girando o mundo nos guia à poesia dos dias, seja com o sol, seja com a lua, ela é tua... a felicidade está em ti."

(postei esta frase no twitter quando senti que o sorriso é como uma cura... e foi. mudei minha atitude diante dos fatos e meu pensamento atraiu energias positivas)

Que sejam felizes todos os teus dias, principalmente o de hoje!

Beijos

dade amorim disse...

Sim Du, Natal é tempo de abrir o coração, amar sem medo, ver a vida com olhos novos, assim como será novo o ano que chega.

Beijo e tudo, tudo de bom que pode acontecer a alguém, é o que te desejo de coração.

Chorik disse...

Dade, socorro, comi demais! rs

Ótima crônica de Natal. Parece-me que muitos são iguais.

Bj

Maria Teresa disse...

Dade:
De um jeito ou de outro, o reinício está aí vestido desta esperançazinha, que todos procuramos engordar, mesmo que ela tenha rompantes anoréxicos. Desejo-lhe então um 2011 alegre e harmonioso, com a sorte prenunciada pelo vinho que foi derramado na toalha alvíssima!
Beijos

dade amorim disse...

Chorik amigo, TODOS comemos demais, um horror.

Espero que você tenha tido uma boa noite de Natal e que o ano novo venha cheio de alegrias e saúde.

Beijo.

dade amorim disse...

Adorei a esperança anoréxica, Maria Teresa. É assim mesmo que ela nos aparece, cada vez com mais frequência. Mas vamos fazer de conta que não aconteceu nada.

Um ótimo ano novo, viu?
Beijo beijo.

Jacinta Dantas disse...

Voce, como sempre, brindando-me com um texto gostoso de ler. Para o finalzinho do ano eu já me prometi. Nada de comilança. Afinal, não é o final de nada e sim mais um dia vivido e a expectativa de um novo amanhecer. E o amanhecer sempre acontece, em 01 de janeiro e nos outros dias.

Então, mulher. Meu desejo é que vc viva bem, um dia de cada vez, todos os dias de 2011.

Abração

dade amorim disse...

Jacinta, somos duas mulheres de juízo. Ando perdendo peso, contente da vida com a performance, e não vai ser a passagem de ano que me fará estragar o regime.

Beijo e um ótimo ano novo bem vivido.

Jens disse...

Feliz Ano Novo, Adelaide.

Beijo.

dade amorim disse...

Amigo Jens, também para você e os que você quer bem, feliz ano novo!